ANO LETIVO 2009/10

   MARÇO            JOÃO DE DEUS

 

     João de Deus nasceu em São Bartolomeu de Messines , em 8 de Março de 1830.

     Estudou Direito na Universidade de Coimbra e,em 1869, publicou a colectânea poética Campo de Flores. A sua obra poética é sobretudo dedicada à Mulher, a Deus e à Natureza.

     No campo da pedagogia publicou em 1876 a Cartilha Maternal, tendo como fim o ensino da leitura às crianças. Faleceu em 1896.

 

 Vida

A vida é o dia de hoje,
a vida é ai que mal soa,
a vida é sombra que foge,
a vida é nuvem que voa;
a vida é sonho tão leve
que se desfaz como a neve
e como o fumo se esvai:
A vida dura um momento,
mais leve que o pensamento,
a vida leva-a o vento,
a vida é folha que cai!

A vida é flor na corrente,
a vida é sopro suave,
a vida é estrela cadente,
voa mais leve que a ave:
Nuvem que o vento nos ares,
onda que o vento nos mares
uma após outra lançou,
a vida – pena caída
da asa de ave ferida -
de vale em vale impelida,
a vida o vento a levou!

 

 

                A Vida

 

Foi-se-me pouco a pouco amortecendo

a luz que nesta vida me guiava,

olhos fitos na qual até contava

ir os degraus do túmulo descendo.

 

Em se ela anuviando, em a não vendo,

já se me a luz de tudo anuviava;

despontava ela apenas, despontava

logo em minha alma a luz que ia perdendo.

 

Alma gémea da minha, e ingénua e pura

como os anjos do céu (se o não sonharam...)

quis mostrar-me que o bem bem pouco dura!

 

Não sei se me voou, se ma levaram;

nem saiba eu nunca a minha desventura

contar aos que inda em vida não choraram ...

 

 

 Crucifixo

– Minha mãe, quem é aquele
Pregado naquela cruz?
– Aquele, filho, é Jesus...
E a santa imagem dele!

– E quem é Jesus? – É Deus!
– E quem é Deus? – Quem nos cria,
Quem nos manda a luz do dia
E fez a terra e os céus;

E veio ensinar à gente
Que todos somos irmãos
E devemos dar as mãos
Uns aos outros irmãmente:

Todo amor, todo bondade!
– E morreu? – Para mostrar
Que a gente pela verdade
Se deve deixar matar
.

 

  A Cigarra e a Formiga

Como a cigarra o seu gosto
É levar a temporada
De Junho, Julho e Agosto
Numa cantiga pegada,
De Inverno também se come,
E então rapa frio e fome!
Um Inverno a infeliz
Chega-se à formiga e diz:
- Venho pedir-lhe o favor
De me emprestar mantimento,
Matar-me a necessidade;
Que em chegando a novidade,
Até faço um juramento,
Pago-lhe seja o que for.
Mas pergunta-lhe a formiga:
"Pois que fez durante o Estio?"
- Eu, cantar ao desafio.
"Ah cantar? Pois, minha amiga,
Quem leva o Estio a cantar,
Leva o Inverno a dançar!"

 

 Lágrima celeste


Lágrima celeste,
pérola do mar,
tu que me fizeste
para me encantar!

Ah! se tu não fosses
lágrima do céu,
lágrimas tão doces
não chorava eu.

Se eu nunca te visse,
bonina do vale,
talvez não sentisse
nunca amor igual.

Pomba debandada,
que é dos filhos teus?
Luz da madrugada,
luz dos olhos meus!

Meu suspiro eterno,
meu eterno amor,
de um olhar mais terno
que o abrir da flor.

Quando o néctar chora
que se lhe introduz
ao romper da aurora
e ao raiar da luz!

Esta voz te enleve,
este adeus lá soe,
o Senhor to leve
e Deus te abençoe.

O Senhor te diga
se te adoro ou não,
minha doce amiga

do meu coração!

Se de ti me esqueço
ou já me esqueci,
ou se mais lhe peço
do que ver-te a ti!

A ti, que amo tanto
como a flor a luz,
como a ave o canto,
e o Cordeiro a Cruz;

A campa o cipreste,
a rola o seu par,
lágrima celeste,
pérola do mar.

Lágrima celeste,
pérola do mar,
tu que me fizeste
para me encantar?



 

Crie um site gratuito com o Yola